Bem-Vindos!

Aniversários

Não há aniversários hoje

Últimas atividades

Chantal Fournet é agora um membro de Curso de Letras
28 Abr
Sílvia Mota atualizaram seus perfis
18 Mar
Sílvia Mota postou fotos
26 Dez, 2017
Sílvia Mota postou uma discussão
22 Dez, 2017
Sílvia Mota postou discussões
8 Dez, 2017
Sílvia Mota postou discussões
30 Nov, 2017
Sílvia Mota postou discussões
28 Nov, 2017
Sílvia Mota respondeu à discussão Caracteristicas do texto expositivo de Sílvia Mota
28 Nov, 2017
Sílvia Mota respondeu à discussão Neutralizacao e falsa neutralizacao de Sílvia Mota
28 Nov, 2017
Sílvia Mota adicionou 37 discussões ao grupo QUESTÕES PARA ESTUDO
27 Nov, 2017
Sílvia Mota postou um grupo
27 Nov, 2017
Sílvia Mota adicionou uma discussão ao grupo CULTURA CLÁSSICA: CONTRIBUIÇÕES LINGUÍSTICAS
1 Out, 2017
Sílvia Mota postou grupos
1 Out, 2017
Sílvia Mota adicionou uma discussão ao grupo Curriculum Vitae et Studiorum
1 Out, 2017
Ícone do perfilCurso de Letras agora possui eventos
30 Set, 2017
Ícone do perfilCurso de Letras agora possui grupos
30 Set, 2017
Sílvia Mota postou uma foto
2 Maio, 2017
Sílvia Mota postou uma foto
2 Maio, 2017
Posts no blog por Sílvia Mota
2 Maio, 2017
Ícone do perfilSílvia Mota, Edmilson dos Santos, Nefertiti Simaika e mais 3 pessoas foram destacados
1 Abr, 2017

Poema ao acaso

CENPESJUR

Alguns antecedentes da Língua Portuguesa

Professora Sílvia M. L. Mota

Compilação de dados

Ampliado em 20 out. 2016

A língua portuguesa exibe uma enriquecedora e atraente história entre as línguas de origem europeia. Em decorrência das navegações portuguesas, nos séculos XV e XVI, tornou-se um dos poucos idiomas em evidência na África, América, Ásia e Europa.

 

Os primeiros textos escritos em português surgem no século  XIII. Nessa época, o português não se distingue do galego, falado na província (hoje espanhola) da Galícia. Essa língua comum — o galego-português ou galaico-português — é a forma que toma o latim no ângulo noroeste da Península Ibérica (TEYSSIER, 2001, p. 6).

 

A partir de 218 a.C., com a invasão romana da península, e até o século IX, a língua falada na região é o romance, uma variante do latim que constitui um estágio intermediário entre o latim vulgar e as línguas latinas modernas (português, castelhano, francês, etc.) (XAVIER, 2010, p. 265). Essa fase é considerada a pré-história da língua.

 

Durante o período de 409 d.C. a 711, povos de origem germânica instalam-se na Península Ibérica. O efeito dessas migrações na língua falada pela população não é uniforme, iniciando um processo de diferenciação regional. O rompimento definitivo da uniformidade linguística da península irá ocorrer mais tarde, levando à formação de línguas bem diferenciadas. Algumas influências dessa época persistem no vocabulário do português moderno em termos como roubar, guerrear e branco (FATOS históricos...).

 

Em 711 os muçulmanos invadem e em pouco tempo conquistam a Península Ibérica, com inclusão da Lusitânia e da Gallaecia. Esses muçulmanos eram árabes e berberes do Maghreb. Tinham o Islão como religião e o árabe como língua de cultura, mesmo aqueles que falavam o berbere. Os povos ibéricos chamaram-nos “mouros” (TEYSSIER, 2001, p. 7). Durante seu domínio, florescem as ciências, a agricultura, o comércio e a indústria.

 

Na realidade, palavras de origem germânica haviam penetrado no latim muito antes da invasão dos suevos e dos visigodos e encontram-se também em outras línguas românicas. Assim: português guerra (fr. guerre), guardar (fr. garder), trégua (fr. trêve). Outras, mais raras, só aparecem em português e em espanhol e devem ter sido introduzidas pelos visigodos; ex.: port. e esp. ganso, port. luva e espanhol antigo lúa. Ressalte-se também que as palavras portuguesas de origem germânica pertencem principalmente a determinados campos semânticos, tais como a guerra (guerra, rouba, espiar), a indumentária (fato, ataviar), a casa e seu equipamento (estaca, espeto), os animais (ganso, marta). Acrescentem-se ainda formas como agasalhar, gana, branco, brotar. Note-se, por fim, que grande número de nomes de pessoas (Fernando, Rodrigo, Alvaro, Gonçalo, Afonso, etc.), assim como de topônimos (Guitiriz, Gomesende, Gondomar, Sendim, Guimarães, etc.), remonta aos suevos e aos visigodos (TEYSSIER, 2001, p. 18).

 

A influência árabe sobre o vocabulário latino é grande. A longa permanência dos muçulmanos em terras da Península deixou a sua marca tanto no português como no espanhol (TEYSSIER, 2001, p. 18). As principais áreas que recebem contribuições lingüísticas são: agricultura (arroz, azeitona, açucena, alface), ciências e técnicas (alfinete, alicerce, alicate, azulejo, almofada), profissões (alfaiate, almocreve), organização administrativa (alcaide, almoxarife, alfândega), culinária (acepipe, açúcar, azeite, javali), vida militar (alferes, refém) e urbana (arrabalde, aldeia). As palavras de origem árabe começam geralmente com o artigo definido  al (por exemplo, almofada, de al + mohada), sendo, às vezes, o  l assimilado pela consoante seguinte (azeitona, al + ceitun). Além destes substantivos, o árabe deixou também alguns adjetivos (mesquinho, baldio) e uma preposição (até). No período que vai do século IX (surgimento dos primeiros documentos latino-portugueses) ao XI, considerado uma época de transição, alguns termos portugueses aparecem nos textos em latim, mas o português (ou mais precisamente o seu antecessor, o galego-português) é essencialmente apenas falado na Lusitânia. Algumas contribuições dessa época ao vocabulário português atual são: arroz, alface, alicate e refém (SANTOS).

 

No que diz respeito às palavras eruditas e semi-eruditas, o recurso a empréstimos feitos diretamente ao latim ascende a época muito remota, e nunca deixou de ser praticado. Entre as palavras “semi-eruditas”, isto é, aquelas de entrada mais antiga na língua, podemos incluir mundo, virgem, clérigo e a sua variante crérigo, diaboo, escola, pensar (cuja variante popular é pesar). Outras são mais recentes, por exemplo os adjetivos em -ico (cf. plobico, ou seja “público”, num documento de 1303)18. Para dar uma idéia da complexidade e da abundancia destes empréstimos, assinalaremos alguns colhidos ao folhear o glossário das Cantigas  d’Escarnho e Mal Dizer na edição de Rodrigues Lapa (Editora Galáxia, 1965). Encontram-se aí alegoria (no sentido de “ciência, arte”), animalha (animal irracional), apóstata, arcebispo, arcediano (hoje arcediago), bautiçar (baptizar), beneficio, calendairo (hoje calendário), câncer, ciença (“ciência”), citolon e citolar, derivados de cítola (de cithara), confessar, confirmar defeso, defesa, defenson, eiceiçon (“excepção”), estrologia-astrologia, estrolomia (“astronomia”), fisico (médico), natura, natural, ofício, entre outras (TEYSSIER, 2001, p. 30).

 

Das línguas indígenas, o português herdou palavras ligadas à flora e à fauna: abacaxi, mandioca, caju, tatu, piranha, araponga, aipim, guri, tapioca, guará, Paraná, bem como nomes próprios e geográficos (SANTOS).

 

Do banto: samba, acarajé, angu, banana, batucada, macumba, bunda, afoxé, iemanjá, vatapá, caruru, maconha, moleque.

 

Nos séculos XIX e XX o vocabulário português recebe novas contribuições: surgem termos de origem greco-latina para designar os avanços tecnológicos da época (como automóvel e televisão) e termos técnicos em inglês em ramos como as ciências médicas e a informática (por exemplo, check-up e software), entre outros (SANTOS).

 

O português é a língua oficial em oito países de quatro continentes: Angola (10,9 milhões de habitantes), Brasil (185 milhões), Cabo Verde (415 mil), Guiné Bissau (1,4 milhão), Moçambique (18,8 milhões), Portugal (10,5 milhões), São Tomé e Príncipe (182 mil) e Timor Leste (800 mil) (MEDEIROS).

 

Em 1996, foi criada a Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), que reúne os países de língua oficial portuguesa com o propósito de aumentar a cooperação e o intercâmbio cultural entre os países membros e uniformizar e difundir a língua portuguesa.

 

REFERÊNCIAS

 

FATOS históricos da língua portuguesa. Iplugados, [s. l.]. Disponível em: http://iplugados.iportais.com/cultura3.html. Acesso em 2 jun. 2015.

 

FILHO, Francisko. A língua portuguesa. Professor Francisko Filho, [s. l.]. Disponível em: https://sites.google.com/site/professorfranciskofilho/home. Acesso em 2 jun. 2015.

 

MEDEIROS, Adelardo Adelino Dantas de. A língua portuguesa: o português no mundo. A língua portuguesa, Natal. Disponível em: http://www.linguaportuguesa.ufrn.br/pt_index.php. Acesso em: 3 jun. 2015.

 

SANTOS, Paulo. A história da língua portuguesa. (Slides). Disponível em: http://slideplayer.com.br/slide/1804277. Acesso em: 20 out. 2016.

 

TEYSSIER, Paul. História da língua portuguesa. Tradução de Celso Cunha. São Paulo: Martins Fontes, 2001. Disciplinas: apoio às disciplinas da USP, São Paulo. Disponível em: https://disciplinas.stoa.usp.br/pluginfile.php/158086/mod_resource/.... Acesso em: 20 out. 2016.

 

XAVIER, José. Cultura geral I. Joinville: Clube de Autores, 2010. 683 p.

Exibições: 9

© 2018   Criado por Sílvia Mota.   Ativado por

Relatar um incidente  |  Termos de serviço