AULA 9

O PAPEL DA ESCOLA FRENTE AO MEIO AMBIENTE

SUSTENTABILIDADE

 

OBJETIVOS

 

  • Entender as definições e informações sobre o que é sustentabilidade.

  • Refletir sobre as atitudes que não consideram a perenidade e fragilidade do meio ambiente.

  • Refletir sobre o papel do homem no mundo, buscando relacionar as ações e as responsabilidades.

  • Entender a importância dos espaços não-formais de educação ambiental.

  • Estudar projetos de educação ambiental.

     

     

    O PAPEL DO HOMEM NO MUNDO E SUAS RESPONSABILIDADES

     

  • Encontramos de uma forma geral diversas visões para sustentabilidade.

  • Ao perguntarmos às pessoas como definiriam sustentabilidade, muitas destas “definições” estariam corretas, mas outras tantas se apoiam em conhecimentos parciais resultado de concepções que não internalizam a essência da sustentabilidade.

  • Justamente o que pretendemos ao trabalhar a EA é a internalização e a prática desses conceitos e conhecimentos apreendidos.

     

    [Uma das coisas que a Educação Ambiental empresta para a Educação Geral é a sensibilidade. Ela bate muito nessa tecla. Educar não é só razão. A emoção é importante no processo educativo. Então, à medida que a gente une a razão, o conhecimento, mas também une a sensibilidade, caminha-se em direção a um saber ao qual se denomina: holístico ou ecológico. Holístico é um todo e Ecológico é o todo junto com o meio ambiente.

    Capra faz uma comparação entre Holismo e Visão Ecológica e exemplifica. Visão holística seria nossa forma de pensar uma bicicleta, com o guidão, o freio, o pedal, as marchas e, se olharmos cada parte, poderemos nos aprofundar e compreender toda a bicicleta. A visão ecológica vai além do conhecimento da bicicleta como objeto; vamos compreender a relação dessa bicicleta com seu entorno.

    Os dois termos são importantes, porque é assim que internalizamos e se fizermos uma reflexão sobre nosso cotidiano, perceberemos que aquilo que internalizamos é aquilo pelo qual temos paixão, amor, atração.

    Por isso, é importante que a Educação Ambiental seja lúdica, que saia da sala de aula, que trabalhe projetos transversais, visitas de campo, deslocamentos, visitas paralelas, que saia do convencional, porque o ambiente escolar é um ambiente viciado. Temos uma certa limitação enquanto educadores. É preciso apurar a sensibilidade dos alunos.]

     

    SUSTENTABILIDADE

     

  • A ideia de desenvolvimento sustentável baseia-se num equilíbrio dinâmico de três componentes resumidos por Elkington (1999) no Triple Bottom Line: People (Povo, ser humano), Profit (Negócios, a produção, a empresa) e Planet (o Planeta, o meio ambiente).

     

    [A obra de Elkington (norteamericano) é voltada para a sustentabilidade empresarial, mas o que menciona como pressupostos, o que estrutura o ideal da sustentabilidade está correto e é compartilhado por outros autores que atuam no âmbito da Educação.]

     

  • O desenvolvimento sustentável seria aquele voltado para o crescimento dos negócios, da produção e, portanto, das empresas, mas ao mesmo tempo para o bem-estar do ser humano e a proteção da natureza, do meio ambiente.

     

    [Não teria sentido falar de sustentabilidade e não contemplar o respeito maior ao Meio Ambiente e evitar práticas danosas.]

     

  • Sustentabilidade é “a persistência, em um futuro aparentemente indefinido, de certas características necessárias e desejáveis do sistema sociopolítico e de seu meio ambiente natural” (ROBINSON et al., 1990, p. 39 apud HELENE e BICUDO, 1994, p.).

     

    [Qual era a ideia, a concepção do autor?]

     

    PRESSUPOSTOS PARA SUSTENTABILIDADE

     

  • A expressão “a persistência, em um futuro aparentemente indefinido”, reflete o fato de não garantir a persistência do sistema para sempre.

  • A expressão “de certas características necessárias e desejáveis do sistema sociopolítico e de seu meio ambiente natural” pressupõe que é preciso definir o que é necessário (questão normativa) e desejável (questão ética).

  •  A implementação do desenvolvimento sustentável depende do empenho dos cidadãos de cada região para superar as estruturas e processos preexistentes.

     

    [Reconhece-se a finitude dos recursos e que não estamos caminhando em direção à sustentabilidade. É preciso definir o que é necessário. Vemos isto nas leis – o que pode ou não pode ser realizado. O desejado é uma questão subjetiva, porque se encontra no âmbito da Ética. É difícil falar de código ético planetário, diante da diversidade cultural, mas em princípios éticos norteadores é possível falar.]

     

    SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL E INTEGRADA

     

  • A prática e a experiência acumuladas pelos países desenvolvidos não garantem o status de referências positivas à sustentabilidade.

  • A imprecisão do conceito de sustentabilidade se reflete na sua difícil operacionalização, acirra conflitos e propicia a defesa de interesses específicos.

     

    OS CAMINHOS DA SUSTENTABILIDADE

     

  • A Sustentabilidade se encontra condicionada a dois caminhos possíveis:

    •  (1) Estabelecer um arranjo equilibrado entre os três pilares da sustentabilidade, o que significa atribuir um novo valor à variável ambiental no processo decisório (Sustentabilidade Ambiental).

    •  (2) Integração dos valores ambiental e social ao contexto econômico, sem alteração no equilíbrio das forças que os mantêm (Sustentabilidade Integrada).

       

    [A sustentabilidade pode ser vista de duas formas: a sustentabilidade ambiental -  desenvolvimento sustentável, mudança de paradigma, mudança de padrão de comportamento, revisão de valores consumistas; e a sustentabilidade integrada - o mundo atual está mais dentro de uma sustentabilidade integrada do que de sustentabilidade ambiental.]

    • [O fator econômico está sempre preponderante, o que causa um desequilíbrio.]

       

      [imagem]

      [Mesmo quando reconhecemos que estamos distantes de uma sustentabilidade ambiental, não podemos negar que houve um avanço institucional em relação à questão ambiental. Ao contrário, não estaríamos falando de educação ambiental obrigatória nas escolas, das conferências, das legislações que foram iluminadas por esses movimentos. Tudo isso deixou frutos. Mas, reconhece-se que existe um desequilíbrio.

       

  • O peso da agenda econômica no contexto histórico das organizações só cederá espaço para a área social e, mais recentemente, para a área ambiental, se houver uma modificação no arranjo das forças decisórias.

     

    [É nessas forças decisórias que devem ocorrer as mudanças]

     

  • Caso se mantenha a força econômica e os demais valores não consigam igualdade de condições, eles não alcançarão seus objetivos.

     

  • A sustentabilidade integrada não se pauta, necessariamente, pela observância e garantia dos limites ambientais. Por sua vez, reconhece a defasagem de inclusão dos temas ambiental e social nos processos decisórios, impõe que os novos valores sejam minimamente incorporados.

  • Assim, a empresa preocupada com a sustentabilidade é a empresa que pratica a responsabilidade social e ambiental.

  • Essas empresas, enfatizam o modelo de ecoeficiência ao integrar soluções ambientais com ganhos financeiros. A redução do consumo de matérias-primas, energia etc., são, ao mesmo tempo, ecológicas e econômicas, todavia, representam ações pontuais no nível operacional.

  • Por outro lado, ao trabalhar a sustentabilidade ambiental, a empresa busca equilibrar as decisões que envolvem aspectos econômicos, ambientais e sociais. Além de tudo, trata-se de uma mudança de postura definida na missão da organização.

     

    CAPACIDADE DE SUPORTE

     

  • Se tivéssemos de responder a pergunta “Por que não somos sustentáveis?”, a resposta seria que “não somos sustentáveis por que estamos ameaçando a capacidade de suporte do planeta."

  • A capacidade de suporte de qualquer ecossistema ou recurso é o número de criaturas que podem ser sustentadas indefinidamente por ele.

  • Para sua determinação é preciso conhecer os níveis de consumo de produção de resíduos admitidos para esse sustento num determinado intervalo de tempo.

     

    CLASSIFICAÇÃO DA CAPACIDADE DE SUPORTE

     

  • Capacidade de suporte instantânea: reflete a taxa de exploração correspondente à manutenção da sobrevivência de determinada população, durante determinado período de tempo.

     

    [Sinônimo de limite ambiental]

     

  • Capacidade de suporte sustentável: reflete as taxas de exploração de recursos naturais disponíveis, que não levem a sua degradação por determinada população, ao longo do tempo. A capacidade de suporte sustentável considera a utilização de um espaço por uma comunidade, durante um período longo, sem que haja mostras de degradação.

     

    [Sinônimo de sociedade sustentável]

     

    CAPACIDADE DE SUPORTE

     

  • Concluindo a capacidade de suporte é definida pelo seu componente mais limitante e não pelo mais abundante. Como quando você assa o pão, e precisa colocar fermento para fazê-lo crescer, se esquecer o fermento não importa ter colocado suficiente farinha e leite. O pão depende de todos os seus ingredientes e seu sucesso está limitado por um fator único e mais limitante.

  • Em resumo, a recuperação da capacidade de suporte é muito mais difícil do que a sua preservação.

     

    [É melhor preservar do que chorar sobre o leite derramado]

     

    COMUNIDADES TRADICIONAIS E SOCIEDADES SUSTENTÁVEIS

     

  • “O desenvolvimento sustentável não é centrado na produção, mas nas pessoas”.

  • Nas comunidades que funcionam bem, mesmo com pobreza, há estratégias criativas de sobrevivência.

  • Quando o desenvolvimento é centrado nas pessoas respeita essas estratégias e melhora a capacidade das comunidades para resolverem seus problemas.

  • A premissa é de que as pessoas, quando não reconhecem suas necessidades, ou estão degradando o seu ambiente, o fazem por haver obstáculos impedindo-as de agirem efetivamente. O foco recai sobre a remoção desses obstáculos.

  • A falta de crédito é um obstáculo à autoconfiança, à falta de conhecimento ou à falta de acesso a recursos imprescindíveis como terra ou água. Quando os obstáculos são removidos as pessoas reúnem-se para resolver seus problemas e alcançar o sucesso.

  • Apesar de não pregarmos ou desejarmos objetivamente uma volta ao passado, devemos mirar no exemplo de sociedades tradicionais uma vez que elas se situam efetivamente como sociedades sustentáveis.

  • Sendo caracterizadas por: exercer controle local sobre o meio ambiente, desenvolver um conhecimento detalhado sobre ele, assimilando-o à própria cultura, e atuar abaixo da capacidade de suporte

     

    REFERÊNCIAS

     

  • AMORIM, T. N. G. F. Responsabilidade social corporativa. In: ALBUQUERQUE, J.de L. (Org.). Gestão Ambiental e Responsabilidade Social: conceitos, ferramentas e aplicações. São Paulo: Atlas, 2009.

  • BAENA, J. C. Comércio Exterior e meio ambiente: reflexos dos programas de rotulagem ambiental sobre as exportações brasileiras para a União Europeia. 2000. Dissertação (Mestrado em Gestão Econômica do Meio Ambiente) - Departamento de Economia, Instituto de Ciências Humanas, Universidade de Brasília, Brasília, 2000.

  • BARBIERI, J. C.; CAJAZEIRA, J. E. R. Responsabilidade social empresarial sustentável: da teoria a prática. São Paulo: Saraiva, 2009. 

  • BARROS, M. A. B. Outdoor Education: uma alternativa para a educação ambiental através do ecoturismo de aventura. In: SERRANO, C. (Org.). A educação pelas pedras: ecoturismo e educação ambiental. São Paulo: Chronos, 2000. (Coleção Tours).

  • BARROS, M. A. B.; DINES, M. Mínimo impacto em áreas naturais: uma mudança de atitude. In: SERRANO, C. (Org.). A educação pelas pedras: ecoturismo e educação ambiental. São Paulo: Chronos, 2000. (Coleção Tours).

  • CASCINO, F. Educação ambiental: princípios, história, formação de professores. 2. ed. São Paulo: Editora SENAC São Paulo, 2000.

  • CARROLL, A. B. A three-dimension conceptual modelo f corporate performance. Academy of Management Review, v. 4, n. 4, 1979.. 

  • DIAS, R. Gestão ambiental: responsabilidade social e sustentabilidade. 2. ed. São Paulo: Atlas, 2011.

  • _______. Responsabilidade social: fundamentos e gestão. São Paulo: Atlas, 2012.

  • ELKINGTON, J. Triple bottom-line reporting: looking for balance. Certified Practising Accountants (CPA), Austrália, 1999. 

  • HELENE, M. E. M.; Bicudo, M. B. Sociedades sustentáveis. São Paulo: Scipione, 1994. (Coleção Cenário Mundial).

     

    ATIVIDADE

     

    1. Quais são os três componentes que integram o Triple Bottom Line?

  1. emocional, ambiental e social

  2. social, ambiental e econômico (CORRETA)

  3. social, econômico e filosófico

  4. ambiental, emocional e filosófico

  5. econômico, financeiro e emocional

     

    2. “O número de criaturas que podem ser sustentadas indefinidamente por um ecossistema” é uma afirmação referente ao conceito de?

  1. Desenvolvimento sustentável

  2. Sociedades sustentáveis

  3. Sustentabilidade

  4. Capacidade de suporte (CORRETA)

  5. Comunidades sustentáveis

Exibições: 8

Aniversários

Não há aniversários hoje

Eventos

Poema ao acaso

CENPESJUR

© 2017   Criado por Sílvia Mota.   Ativado por

Relatar um incidente  |  Termos de serviço